Juro alto nos EUA afeta perspectivas de crescimento no Brasil

Indicadores positivos divulgados na semana no país foram suplantados pelas notícias negativas vindas dos Estados Unidos, avalia economista-chefe da Fiesc
Na avaliação de Bittencourt, o índice de inflação norte-americano veio acima do esperado, o que trouxe perspectivas de que a taxa de juros por lá continue em patamares elevados

O economista-chefe da Federação das Indústrias de SC (Fiesc), Pablo Bittencourt, em sua análise semanal do cenário econômico brasileiro, avalia que mesmo os dados positivos da economia nacional são insuficientes para uma melhor perspectiva de crescimento futuro, dada a conjuntura ruim dos Estados Unidos. "É o custo de ser uma economia pequena, em desenvolvimento", salienta. Na avaliação de Bittencourt, o índice de inflação norte-americano veio acima do esperado, o que trouxe perspectivas de que a taxa de juros por lá continue em patamares elevados, pelo menos até julho, talvez até o fim do ano. "Isso tem um impacto aqui no Brasil porque nossa economia está fortemente atrelada à dos Estados Unidos. Juros altos lá é câmbio alto aqui", pontua.

Na perspectiva dele, juros mais atrativos em uma economia sólida como a dos Estados Unidos acabam atraindo investidores, em detrimento de países em desenvolvimento, como o Brasil. Ele explica que a saída de investidores estrangeiros contribui para a desvalorização do real frente ao dólar, com reflexos na nossa inflação doméstica e, por consequência, na Selic. Bittencourt ainda afirma que o IPCA trouxe uma desinflação consistente no Brasil, de 0,16%, bem melhor que expectativa, que era de 0,25%. Ele destaca a queda na difusão (preços que subiram em relação aos que não subiram), de 57% para 55%, assim como nos núcleos, que mostraram recuo de 0,49% para 0,16%. "É o melhor IPCA de março desde 2020. É uma boa notícia, mas a leitura superficial pode enganar. O ruim esteve nos serviços subjacentes, aqueles menos voláteis, menos sazonais, mais relacionados ao ciclo econômico, que subiram de 0,44% para 0,45%.", detalha.

Na análise dos dados recentes de atividade industrial catarinense, o economista-chefe da Fiesc explica que a queda de 0,6% da produção industrial pode ser atribuída a setores produtores de bens intermediários [usados pela indústria para a fabricação de produtos acabados]. Esses segmentos já haviam registrado queda em janeiro e foram decisivos para a queda de fevereiro, metalurgia (-3,1%), produtos de metal (-4,3%) e plásticos (-3,8%). "Pode ser reflexo de excesso de estoques nos compradores ou ainda sinais de desaceleração da demanda por produtos finais. Caso esse movimento continue, poderemos observar a limitação do processo de recuperação da atividade econômica nos demais ramos, com os compradores passando a limitar seus pedidos antevendo dificuldades na demanda final", destaca.

Veja mais notícias sobre EconomiaBrasilMundoIndústriaSanta Catarina.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 14 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/