O efeito colateral da Covid-19 na carreira das mulheres

O home office acabou por sobrecarregar as mulheres com afazeres domésticos e corporativos
Pesquisa realizada pela Kearney aponta que 30% das mulheres podem deixar seus empregos devido ao estresse gerado pelo trabalho remoto

Não há dúvidas de que as mulheres no mundo todo vêm conquistando importantes espaços e posições no mercado de trabalho, fruto da perseverança em mudar a realidade ainda bruta e machista que o mundo corporativo, em parte, teima em perpetuar. Porém, essa escalada feminina parece ter tido uma parada brusca devido à pandemia do coronavírus. Tenho conversado com profissionais de diferentes segmentos e elas relatam que, nos últimos meses, a carga de trabalho, a exigência e o grau de estresse aumentaram muito para elas. Para as profissionais que estão em home office, a reclamação é ainda mais comum. O home office é algo bom, sem dúvidas. Mas, ao vir como uma necessidade e não como uma política de flexibilização em processo de maturação nas empresas, acabou por sobrecarregar as mulheres com afazeres domésticos e corporativos, dando a sensação de uma certa retração ou estagnação.

Recente pesquisa realizada pela Kearney, uma das maiores consultorias globais de gestão estratégica no mundo, aponta que 30% das mulheres podem deixar seus empregos devido ao estresse gerado pelo trabalho remoto. As profissionais ouvidas relatam dificuldades para gerenciar a carga de trabalho, o acesso reduzido a líderes influentes e a oportunidades de evolução na carreira e uma redução na sensação de bem-estar e da saúde mental. O levantamento ouviu 1 mil mulheres entre 25 e 45 anos de idade, com carreiras consolidadas, mas ainda com grande potencial de crescimento. Cerca de 30% delas mudaram para o modelo de home office desde o início da pandemia. Outras 20% já trabalhavam principalmente de casa e 50% continuaram a trabalhar no escritório ou em outro local de trabalho.

Mulheres que passaram a trabalhar de casa por conta da Covid-19 afirmam que todas as barreiras profissionais se tornaram mais severas desde que elas deixaram o escritório, no início de 2020. Na comparação com aquelas que continuaram no escritório, as mulheres trabalhando remotamente relataram que as barreiras estão três vezes maiores. Em particular, a carga de trabalho, acesso a importantes oportunidades de desenvolvimento, motivação pessoal e bem-estar representam os maiores obstáculos.

De acordo com o levantamento, esse declínio na sensação de bem-estar é desencadeado por três fatores: a falta de flexibilidade de horário entre aquelas que estão trabalhando remotamente, a dificuldade de lidar com a carga de trabalho e a queda significativa do acesso a oportunidades de desenvolvimento e evolução profissional. Isso acontece porque, no escritório, os colaboradores têm muito mais acesso aos líderes, colegas e às interações informais que levam a importantes oportunidades. Ainda é cedo para medir todo esse impacto, mas já se acende uma luz amarela no mundo corporativo. Empresas que têm políticas voltadas a questões de gênero devem ficar atentas a essa tendência e buscar reter o talento feminino, sem deixar que esse efeito colateral da Covid-19 ataque muitas das conquistas importantíssimas para a evolução do mercado de trabalho e para a valorização das profissionais. Fiquemos atentos!

Veja mais notícias sobre CoronavírusCarreiraRecursos Humanos.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 28 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/

No Internet Connection