Matriz de risco de Santa Catarina mostra 15 regiões em risco gravíssimo

Apenas a Grande Florianópolis se manteve no nível laranja
Todas as regionais encontram-se em alerta máximo para a ocupação de leitos de UTI reservado Covid

A matriz de risco potencial divulgada neste sábado (22) revela que apenas uma região de Santa Catarina foi classificada no patamar grave (cor laranja) e outras 15 na situação gravíssima (cor vermelha) para a transmissão da Covid-19. Somente a região da Grande Florianópolis se manteve no nível laranja. As regiões Médio Vale do Itajaí e Nordeste foram reclassificadas para a situação gravíssima. Todas as regionais foram avaliadas com risco máximo (nota 4), ou seja, em nível gravíssimo no quesito capacidade de atenção, que é o que avalia a taxa de ocupação de UTIs.

Na semana passada, a única região avaliada com risco máximo em todos os quesitos foi a do Alto Vale do Rio do Peixe. Nesta semana, Alto Uruguai Catarinense, Serra e região Meio Oeste receberam a pior avaliação em todos os índices avaliados pela matriz: evento sentinela (elevação do número de óbitos); transmissibilidade (variação do número de casos); monitoramento (número de exames RT-PCR para Covid-19 processados pelo Lacen) e capacidade de atenção (ocupação dos leitos de UTI).

As regiões ainda registram alta ocorrência de óbitos, mas o nível de transmissão tem diminuído e aponta para uma tendência de baixa nesta onda. O percentual de positividade dos exames processados está acima de 30% na maior parte do estado. Todas as regionais estão classificadas em nível gravíssimo, ou seja, encontram-se em alerta máximo para a ocupação de leitos de UTI reservado Covid. Confira aqui a matriz na íntegra.

Veja mais notícias sobre CoronavírusSaúdeSanta Catarina.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 16 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/