Aumento de casos de Covid ocasiona alta no número de internados no RS

Estado tem mais uma semana de novos avisos para todas as regiões
O governo estadual reforçou a importância de que a população busque a dose de reforço e a segunda dose da vacina contra a Covid-19

O rápido aumento de casos de Covid-19 e de internações devido a essa e outras doenças fez com que o governo do Rio Grande do Sul, novamente, emitisse novos avisos a todas as 21 regiões. É a terceira semana consecutiva em que isso ocorre, depois de nove semanas sem avisos ou alertas no Sistema 3As de Monitoramento, responsável pelo gerenciamento da pandemia no Rio Grande do Sul.

Além das outras síndromes respiratórias, comuns à época mais fria, e aos casos de dengue, também se observa um aumento na busca por atendimentos eletivos, represados durante a pandemia. O aumento de casos de Covid-19 ocasionou elevação no número de internados em leitos clínicos, entre suspeitos e confirmados – de 341 em 9 de maio para 737 em 31 de maio, ou seja, mais que duplicando em três semanas. A variação de confirmados e suspeitos em UTI, no mesmo período, de 9 a 31 de maio, passou de 134 para 215 – aumento de 60%.

O contágio acelerado também já traz reflexos ao número de óbitos causados pela doença. No início de maio, a média móvel de óbitos diários era quatro. Na última semana deste mês, a média móvel diária subiu para oito. O governo estadual reforçou a importância de que a população busque a dose de reforço e a segunda dose da vacina contra a Covid-19. Cerca de 80% da população residente no Rio Grande do Sul está com o esquema vacinal primário (duas doses) completo, mas apenas 53,9% tomou a dose de reforço, completando o esquema vacinal. A vacinação contra a influenza, outra doença que compromete o sistema respiratório, é também vista como fundamental.

Além da imunização, o governo gaúcho ressalta a importância do uso da máscara como prevenção contra a Covid-19. Embora não seja mais obrigatória, o uso segue recomendado em casos específicos, como em hospitais, serviços de saúde e farmácias (mesmo que em ambientes externos), no transporte público e em situações de aglomeração, especialmente por pessoas com saúde debilitada ou que pertençam a grupos de risco. O uso da máscara também se faz indispensável quando da apresentação de sintomas respiratórios, especialmente em ambientes fechados.

Veja mais notícias sobre CoronavírusSaúdeRio Grande do Sul.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 10 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/