Produção industrial catarinense avança 2,6% em junho frente a maio

A indústria gaúcha retrocedeu 0,5% enquanto a do Paraná teve uma queda de 3,3%
Os setores de alimentos e de vestuário foram os mais influentes na indústria catarinense

Na passagem de maio para junho, a produção industrial brasileira avançou 0,1%, com crescimento em seis dos 15 locais investigados pela Pesquisa Industrial Mensal (PIM) Regional. As maiores altas foram registradas por Espírito Santo (4,6%), Rio de Janeiro (3,2%) e Santa Catarina (2,6%). Na comparação com junho de 2022, a indústria cresceu 0,3% e as taxas positivas foram verificadas em nove dos 18 locais pesquisados. Já no acumulado em 12 meses houve variação de 0,1%, com cinco dos 15 locais analisados mostrando resultados positivos. Os dados foram divulgados pelo IBGE. Em abril, foram divulgados pela primeira vez os resultados da PIM Regional após as atualizações na seleção de amostra de empresas, unidades locais e lista de produtos, além da inclusão de três novos estados: Rio Grande do Norte, Maranhão e Mato Grosso do Sul, totalizando 18 locais. Para os novos locais ainda não há informações do mês frente ao mês anterior. Quando se compara o primeiro semestre de 2023 com o mesmo período de 2022, ocorreu redução de 0,3% na produção nacional, atingindo oito dos 18 locais pesquisados. Ceará (-6,2%), Rio Grande do Sul (-6%) e região Nordeste (-4,5%) tiveram as retrações mais acentuadas.

"Ao final do primeiro semestre de 2023, vemos uma trajetória bem gradual, com muita cautela na atividade industrial brasileira, consequência das medidas moderadas tomadas pelos produtores. Isso pode ser explicado pela conjuntura econômica, ainda com algumas incertezas que afetam a cadeia produtiva", avalia Bernardo Almeida, analista da PIM Regional. O destaque de junho foi o crescimento da indústria no Espírito Santo (4,6%), totalizando uma expansão de 7,1% em três meses consecutivos de aumento na produção. Trata-se da taxa mais alta no estado desde janeiro deste ano (18%). "A indústria extrativa, bastante atuante por lá, e o setor de produtos minerais não metálicos foram os principais responsáveis pelo desempenho da indústria capixaba", explica Almeida. Rio de Janeiro ocupou o segundo lugar no ranking de maiores avanços na produção industrial, chegando a 3,2%, taxa mais intensa obtida pela indústria fluminense desde outubro de 2022 (8,4%). Esse resultado interrompe dois meses seguidos de queda, período no qual acumulou perda de 3,1%. O setor extrativo foi a principal influência positiva, seguido por derivados do petróleo e produtos químicos. Santa Catarina (2,6%) vem na sequência, recuperando-se após o recuo de 1,7% verificado no mês passado. Os setores de alimentos e de vestuário foram os mais influentes na indústria catarinense.

Maior parque industrial do país, São Paulo teve queda de 2,7% na passagem de maio para junho, anulando a expansão observada no mês passado (2,7%). É o resultado negativo mais intenso desde janeiro de 2023 (3,2%). A indústria no estado vinha de três resultados positivos seguidos, quando acumulou um ganho de 3,6%. "Os setores que mais impactaram negativamente a indústria paulista foram o de derivados de petróleo, o de indústria farmacêutica e o de veículos automotores", acrescenta o analista. Assim, São Paulo volta a ficar abaixo (-2,6%) do seu patamar pré-pandemia (fevereiro de 2020) e está 24,3% aquém do seu nível mais alto já atingido (março de 2011). Ainda no lado das quedas, Ceará (-6,4%), região Nordeste (-4,5%), Amazonas (-4%) e Paraná (-3,3%) apresentaram as taxas negativas mais expressivas. A indústria gaúcha retrocedeu 0,5% em junho frente a maio. 

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 12 Abril 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/