Indústria gaúcha recua 3,8% em janeiro

Retração em Santa Caarina foi de 3,1%. Paraná avançou 1,9%
A taxa de janeiro é a mais intensa na indústria do Rio Grande do Sul desde setembro de 2023, quando teve uma queda de 5,5%

Seis dos 15 locais investigados pela Pesquisa Indústria Mensal (PIM) Regional recuaram na passagem de dezembro para janeiro, quando a produção industrial do país caiu 1,6%. As maiores quedas foram registradas no Espírito Santo (-6,3%) e no Pará (-4,9%), enquanto a principal influência negativa sobre o resultado nacional veio do Rio Grande do Sul (-3,8%). No acumulado em 12 meses, a indústria variou 0,4%, com taxas positivas em dez locais. Os dados foram divulgados pelo IBGE.

"A queda de 1,6% na indústria nacional foi registrada após cinco meses sem resultados negativos, com ganho acumulado de 2,9%, e representa uma estratégia da própria indústria para equalizar o comportamento de oferta e demanda. É um movimento natural em relação aos meses anteriores que também é observado regionalmente", explica o analista da pesquisa, Bernardo Almeida. Um exemplo é o que ocorreu na indústria capixaba, que além de ter a retração mais elevada entre os locais pesquisados, exerceu a segunda maior influência negativa sobre o resultado da indústria brasileira. "A atividade extrativa foi a que mais impactou esse comportamento dentro dessa indústria. Esse setor foi um dos responsáveis pelo ganho de ritmo no fim do segundo semestre de 2023 e, na passagem de dezembro para janeiro, houve esse movimento de recuo que podemos observar no resultado nacional e no estado", detalha o analista.

O setor extrativo também influenciou o resultado negativo da indústria paraense (-4,9%). "Esse mesmo movimento do setor foi observado no Pará, onde a indústria é mais concentrada nessa atividade", afirma. A produção industrial do estado havia crescido em novembro (1,8%) e dezembro (2,7%), com ganho acumulado de 4,5% nesse período. No Rio Grande do Sul, a queda de 3,8% veio após um avanço de 1,6% no mês anterior. "A taxa de janeiro é a mais intensa desde setembro de 2023, quando teve uma queda de 5,5%. Esse resultado foi impactado pelas atividades de derivados do petróleo e produtos do fumo, que são bastante atuantes dentro da indústria gaúcha", revela o pesquisador. Os demais estados com taxas negativas foram Goiás (-3,3%), Santa Catarina (-3,1%) e Ceará (-0,2%).

Entre os nove locais que avançaram, o destaque foi o Amazonas (16,7%) que teve a maior expansão e exerceu o maior impacto positivo sobre a indústria nacional. "A maior influência para esse resultado veio do setor de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos. Entre setembro e novembro, a seca severa no estado afetou a logística da indústria local, tanto no que tange ao escoamento da produção quanto ao abastecimento de insumos. Isso gerou custos adicionais, que resultaram na redução do ritmo de produção. A partir de dezembro, houve melhora no cenário", explica o pesquisador. Em dois meses, a indústria amazonense acumula alta de 30,3%.

A segunda maior influência positiva veio de São Paulo (0,8%), que responde por cerca de 33% da indústria do país. "Os setores que mais influenciaram essa alta foram o de produtos químicos e o de outros equipamentos de transporte. Com esse resultado, observamos que a indústria paulista está 0,4% acima do seu patamar pré-pandemia", destaca Almeida. A indústria do estado também opera 22,1% abaixo do nível mais elevado, registrado em março de 2011. Em dezembro, o setor industrial do estado havia recuado 1,6%. "Antes disso, a indústria paulista teve dois meses seguidos de crescimento. A partir desses resultados, é possível observar uma melhora no ritmo de produção local", pontua. No Paraná (1,9%), terceira maior influência sobre o resultado nacional, as maiores contribuições vieram dos setores de máquinas, aparelhos e materiais elétricos e de máquinas e equipamentos. Os outros resultados positivos foram dos seguintes locais: Mato Grosso (4,4%), região Nordeste (3,2%), Bahia (2,1%), Minas Gerais (1%), Rio de Janeiro (0,8%) e Pernambuco (0,5%).

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 25 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/