Conheça iniciativas de empresas e instituições para ajudar os gaúchos – e inspire-se a também auxiliar

Enchentes já deixaram mais de 100 mortos e afetaram mais de 400 cidades do RS. Mas uma grande corrente de solidariedade está se formando para superar as dificuldades
Empresas e organizações estão contribuindo com a corrente de solidariedade que se formou em solo gaúcho

Em meio a uma tragédia sem precedentes na história do Rio Grande do Sul, empresas de todos os portes e instituições se mobilizam para estender a mão ao próximo e ajudar, com doações e oferta dos próprios serviços gratuitamente. Outras se voltam para dentro, a fim de oferecer amparo aos funcionários. De alguns, a água levou tudo, deixando um rastro de desolação e desesperança. Até esta quinta-feira (9), o número de mortos passava de mais de uma centena, com 428 dos 497 municípios gaúchos sendo afetados diretamente pelas chuvas.

Ações de solidariedade serão necessárias não só neste momento de emergência, mas por muitos meses subsequentes ao escoamento das águas. "Não apenas empresas, mas também ecossistemas de negócios desapareceram por completo. Sedes administrativas, maquinário, estoques, arquivos: muito se perdeu. Para algumas companhias de abrangência local, o mercado consumidor sumiu, junto com bairros e cidades inteiras", avalia o advogado Eduardo Grangeiro, coordenador da área de reestruturação de empresas e falências do escritório SCA – Scalzilli Althaus. Confira algumas iniciativas de empresas e instituições de diversos estados.

Carrefour: congelamento de preços até 31 de maio
O grupo francês Carrefour decidiu congelar os preços de todos os produtos nas suas lojas do Rio Grande do Sul, incluindo hiper, supermercados e atacarejos. A medida é válida, portanto, para unidades de todas as suas bandeiras no estado: Carrefour, Atacadão, Sam's Club e Nacional. Os preços de 1º de maio serão mantidos pelo menos até 31 de maio. Além disso, lojas do Carrefour no Rio Grande do Sul, em parceria com a ONG Ação da Cidadania, estão recebendo doações de alimentos não-perecíveis, kits de higiene pessoal e materiais de limpeza.

Colégio Anchieta: mobilização para abrigar pessoas
Uma das mais tradicionais escolas de Porto Alegre, o Colégio Anchieta abriu as portas do ginásio da sede localizada no Morro do Sabiá, na Zona Sul da capital, para receber os desabrigados. O espaço, destinado a atividades dos alunos aos finais de semana, foi equipado com colchões, toalhas, cobertas e doações de roupas e alimentos. Os quartos foram organizados para os grupos prioritários, como idosos, gestantes e portadores de necessidades. "Mais do que nunca, é hora de fazermos uma corrente do bem e amenizar o sofrimento de tantos gaúchos afetados por esse desastre. Ajudar o próximo é um chamado a todos nós", afirma o diretor Pe. Jorge Álvaro Knapp.

Baly Brasil: em vez de energético, água potável
A catarinense Baly Brasil, de Tubarão, está mobilizando empresários e comunidade para doações de mantimentos e itens de necessidade básica. Além de disponibilizar a frota de carretas, destinou, em parceria com outras empresas, duas linhas de produção dos energéticos para envasar 1 milhão de litros de água potável para doação.

Ecosul: isenção da tarifa de pedágio
A Ecosul, concessionária que administra 457,3 quilômetros de estradas no Sul do estado, dispensou o pagamento das taxas de pedágio para quem estiver em deslocamento para auxiliar as vítimas das enchentes. A medida é válida para quem está fazendo transporte de suprimentos e está atuando no resgate de pessoas. Em âmbito nacional, as concessionárias do grupo EcoRodovias estão compartilhando, nos painéis eletrônicos, uma chave pix para doações. A ação já roda por estados como São Paulo, Minas Gerais, Tocantins e Goiás.

Fundação Marcopolo destinará R$ 5 milhões para o recomeço do RS
Atenta à grave situação pela qual passa a sociedade gaúcha devido às chuvas que atingiram o Rio Grande do Sul, a Fundação Marcopolo destinará R$ 5 milhões de recursos próprios para atendimentos das famílias atingidas pelas enchentes. Para amplificar o impacto da ação, a Fundação convida outras instituições, empresas e a comunidade em geral a se unirem ao movimento. Doações podem ser feitas via Pix (contato@fundacaomarcopolo.com.br) e serão acrescidas ao valor original. Apostando na esperança como inspiração para a vida dos gaúchos neste momento tão difícil, os recursos desta ação serão direcionados para o atendimento das vítimas das enchentes do Rio Grande do Sul, com base nas necessidades apontadas pela defesa civil e outras instituições, com o objetivo de viabilizar o recomeço das famílias mediante projetos estruturantes e emergenciais. A Fundação Marcopolo também instituiu um programa chamado "O Futuro que Queremos" para propor, debater e inspirar soluções inovadoras para problemas crônicos por meio de simpósios e consultorias focadas em questões de sustentabilidade, meio ambiente, mobilidade urbana e social.

Lojacorr: empresa duplicará o valor arrecadado
Maior rede de corretoras de seguros do país, a Lojacorr vai ajudar a Rede de Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul duplicando o valor arrecadado. Ou seja, para cada real doado, a Lojacorr também doará um real. As doações via Lojacorr podem ser feitas pelo Pix.

Condor: mais de 130 mil itens de higiene e limpeza
A catarinense Condor contribuiu com mais de 130 mil itens essenciais para auxiliar as famílias afetadas, como vassouras, rodos, escovas de dente, esponjas, lixas e trinchas para pintura.

FCC: força-tarefa em ação
Indústria que atua em diversos setores, com destaque para calçadista, construção civil e moveleiro, a FCC tem sede em Campo Bom, uma das cidades afetadas pela enchente. O Pix solidário, criado pela empresa, terá valores repassados de forma integral às vítimas. Para auxiliar os próprios colaboradores afetados, a empresa antecipou benefícios e isentou cobranças de consultas psicológicas. Também fez doações de materiais de limpeza para contribuir com a força-tarefa que vem sendo realizada no bairro em que se localiza.

PipeRun: ajuda para quem perdeu tudo
Sete colaboradores da PipeRun, que atende mais de 1,5 mil empresas com sistema de gestão de vendas, perderam tudo que tinham em função dos alagamentos. Para auxiliar o time com a arrecadação de recursos, a startup organizou uma vaquinha solidária. Enquanto isso, a empresa segue buscando garantir a continuidade dos serviços.

Sistema Ocergs: doação setorizada
O Sistema Ocergs, órgão de representação das cooperativas gaúchas, lançou campanha, em conjunto com a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). Foram criadas contas exclusivas e separadas por propósitos para quem quiser ajudar com qualquer valor na doação de alimentos e bebidas, medicamentos e material médico-hospitalar e reconstrução de casas e infraestrutura.

Fiep: organização de informações
A Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) criou um ambiente virtual específico para quem quiser ajudar os gaúchos. Parte da campanha "De mãos dadas com o Rio Grande do Sul", o portal está conectado ao site da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs) e disponibiliza informações confiáveis e seguras. Também está organizando os pontos de recolhimento de donativos nas 12 Casas da Indústria espalhadas pelo Paraná.

Universidade de Passo Fundo: teleconsultas gratuitas às vítimas
Uma plataforma desenvolvida na Universidade de Passo Fundo (UPF), pelo mestrado de computação aplicada, está oferecendo teleatendimento gratuito às vítimas das enchentes. O aplicativo eProHealth permite o cadastro de voluntários – profissionais da saúde – de todo o Brasil e do mundo.

Pan American School: ação internacional
A Pan American School (PAS) se mobilizou junto à comunidade de escolas internacionais do Brasil para arrecadar doações. Os professores estrangeiros da instituição também estão utilizando suas redes para conseguir recursos em seus países. Além disso, a escola conta com campanhas próprias, lideradas por alunos, com o objetivo de contribuir com a corrente de solidariedade que se formou em solo gaúcho. Colaboradores, estudantes e famílias da comunidade PAS estão engajados na arrecadação, na organização e na distribuição de donativos.

Hospital Moinhos de Vento: abrigando funcionários
O Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, estabeleceu comitê de enfrentamento de crise desde quinta-feira (2) para promover ações conjuntas de garantia do funcionamento da instituição, bem como medidas de apoio à comunidade. O hospital está recebendo pacientes de outros hospitais – e colocou o heliponto à disposição da sociedade para envio de insumos. Entre as ações adotadas para mitigar a situação dos colaboradores, estão medidas financeiras e de doação conjunta. Além disso, funcionários impossibilitados de voltar para casa foram acolhidos nas dependências. Atendimento psicológico também está sendo oferecido a todos os atingidos. O Instituto Moinhos Social, pilar social do hospital, está reunindo doações, que serão repassadas às comunidades atingidas pelas enchentes no Rio Grande do Sul. O repasse pode ser feito para a chave Pix moinhos.social@hmv.org.br.

Ivira: mobilização no Paraná e até no Paraguai
Mobilizando os principais empresários de Foz do Iguaçu e do Paraguai, Bruno Vallini está auxiliando na organização das doações no Paraná. "Um colega disponibilizou uma aeronave para levar mantimentos de forma mais rápida, então, direcionamos as doações até ele. O restante está indo de carreta", conta presidente da Ivira Incorporação e Desenvolvimento Imobiliário, empresa que está à frente do Leaves Premium Suítes, em Foz do Iguaçu.

Assespro-PR: união de esforços
De Curitiba, a Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro-PR) faz coro ao pedido de socorro dos colegas da entidade parceira, a Assespro-RS. No Rio Grande do Sul, a Assespro gaúcha lidera a "Ação Solidária: Ajuda aos Desabrigados". De acordo com o material de campanha, a proposta neste momento é arrecadar colchões – ou dinheiro para comprá-los.

UFRGS: mobilização em diversas frentes
A Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) disponibilizou um de seus campus para abrigar a população. O restaurante universitário está fazendo mais de 3 mil refeições por dia, entre café, almoço, janta e lanche. Há também serviço de enfermagem, medicina, farmácia e psicologia sendo prestados. São mais de 300 voluntários, incluindo alunos da universidade no local. Além disso, a frota de veículos da universidade foi mobilizada para apoiar no transporte para a prefeitura, defesa civil e o governo estadual. A equipe do Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) é uma das protagonistas deste momento, fazendo projeções e mapeamentos de áreas atingidas pelas enchentes, bem como o movimento de massa para risco de deslizamento. Com análise de cenário e modelos matemáticos, a equipe faz as previsões dos níveis do Guaíba, com 100% de acerto até agora.

Eletromidia: reforço na divulgação
Empresa de mídia que conversa com mais de 27 milhões de pessoas por meio de aproximadamente 65 mil pontos de contato, a Eletromidia acompanha de perto as consequências do desastre natural que assola o Rio Grande do Sul. Buscando contribuir com o resgate e atendimento dos desabrigados, e posteriormente com a reconstrução das cidades, a empresa reforça a divulgação de duas campanhas de doação no portfólio de edifícios e ruas em todo o Brasil.

Simers: organização de escalas de médicos voluntários
O Sindicato Médico do Rio Grande do Sul está atuando diretamente no gerenciamento de fluxos e de escalas de médicos voluntários em abrigos de Porto Alegre. Mais de 700 médicos voluntários já se cadastraram. A iniciativa é uma parceria com a secretaria municipal de saúde para organizar processos e otimizar recursos humanos. "A solidariedade tem sido muito intensa, mas temos de organizar esses processos para termos melhores resultados para a população", descreve o vice-presidente do Simers, Fernando Uberti.

Wert: arrecadação de itens essenciais
De Porto Belo, em Santa Catarina, a Wert lançou uma campanha solidária de arrecadação de alimentos não perecíveis, água, roupas de cama, roupas, produtos de higiene e de limpeza e ração para pets, além de água potável, um dos recursos mais solicitados por quem está na linha de frente. As doações estão sendo reunidas na Casa Wert (rua Rio Perequê, 519, Jardim Dourado), em Porto Belo.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 24 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/