Excesso de chuvas no Sul provoca queda na produção do milho

De acordo com a Conab, safra brasileira será 10,9% menor; no PR, semeadura do safrinha iniciou este mês
Safra deve sofrer redução de 14,3 milhões de toneladas em comparação com a temporada anterior

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima a safra de milho 2023/2024 no Brasil em 117 milhões de toneladas, refletindo uma redução de 10,9% ou 14,3 milhões de toneladas em comparação com a temporada anterior. No Paraná, a semeadura da segunda safra do cereal teve início neste mês de janeiro, tradição na região Sul devido às temperaturas rigorosas no inverno. A primeira safra de milho, representando 20,7% da produção total do cereal, enfrenta desafios como precipitações elevadas no Sul e baixa pluviosidade no Centro-Oeste, associadas a temperaturas altas durante o plantio, impactando negativamente a área e produtividade.

Em Santa Catarina, a cultura foi prejudicada pelas chuvas intensas que ocorreram desde o plantio até a colheita, ainda em andamento. "A planta não teve a luminosidade adequada para se desenvolver, pois choveu durante semanas seguidas. Agora, os produtores enfrentam dificuldades para colher o cereal, pois o grão está muito úmido, chegando a 35% de umidade", afirma a responsável pelo setor de beneficiamento da empresa Turamix Beneficiamento de Cereais, de Maracajá (SC), Géssica Medeiros. Segundo ela, estimativas apontam quebra de 40% a 50% na produção do cereal no estado catarinense. "Em algumas regiões, os produtores têm que aguardar a melhora do tempo, pois as chuvas não dão trégua. Esse excesso de umidade faz com que milho tenha falhas no desenvolvimento, como doenças no pé da planta e grãos falhados e verdes", explica Géssica.

O engenheiro agrônomo, também da Loc Solution, Roney Smolareck, reforça que o problema de umidade, principalmente na região Sul do país, poderá ser um grande desafio a ser enfrentado pelos produtores este ano. Ele recomenda monitorar os grãos com muita antecedência. "Quanto menor a umidade durante a colheita, menores serão os gastos com a secagem do grão. Os índices para armazenagem, por exemplo, devem ficar entre em 14%, conforme determina o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa)", afirma o engenheiro agrônomo.

Veja mais notícias sobre Agronegócio.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 21 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/