Um futuro rentável e sustentável

Bunge aposta alto em gestão inteligente da cadeia produtiva e transformação digital - mas também em responsabilidade ambiental
“As mudanças ampliaram a visibilidade sobre nossas operações e trouxeram a agilidade necessária”, analisa Garros

Enquanto no ano passado o agronegócio foi o segmento que mais se destacou nas operações da Bunge, neste ano os holofotes estão voltados para os óleos refinados e especiais. O segmento apresentou um desempenho mais positivo do que o imaginado graças à recuperação do setor de food service e do aumento da demanda por combustíveis renováveis, como o biodiesel. Os já excelentes resultados de 2020 se mantiveram para a Bunge em 2021 – segundo a empresa, graças a uma importante mudança finalizada em 2019, quando o modelo operacional global deixou de ter estrutura regionalizada por países e regiões e passou a ser organizado por cadeias de valor. "As mudanças ampliaram a visibilidade sobre nossas operações e trouxeram a agilidade necessária", analisa Julio Garros, presidente de desenvolvimento do agronegócio, operações e moagem da Bunge.

Os projetos de transformação digital e inovação continuarão sendo um pilar importante de investimentos para a companhia neste ano, mas, além deles, a Bunge também mantém seu foco em ações voltadas para a sustentabilidade. As equipes vêm impulsionando o desempenho operacional, a otimização do portfólio e o fortalecimento da disciplina financeira da empresa, tudo isso em meio a um dos períodos mais desafiadores da história recente. "Como resultado, desde o ano passado, estamos conseguindo aumentar a utilização de nossa capacidade instalada e diminuir o tempo de paradas não programadas. Isso, associado ao empenho de nossos times comerciais para garantir o abastecimento de nossas plantas, têm levado a recordes no processamento de soja", conta Garros.

Outra prioridade da empresa ao longo da pandemia foi manter-se lado a lado dos clientes para apoiá-los na tarefa essencial de manter o abastecimento de alimentos e de acompanhar as mudanças nas necessidades do consumidor. Durante todo esse período, a Bunge elencou duas prioridades: a manutenção do abastecimento e a saúde e segurança de seus colaboradores e parceiros. "A demanda mundial por alimentos segue firme e a Bunge vem conseguindo cumprir seu planejamento com foco e disciplina na execução", avalia.

A empresa possui uma série de projetos para aumentar a eficiência de seu processamento de oleaginosas e negócios de distribuição de grãos em todo o mundo. No Brasil, os destaques são os investimentos em iniciativas voltadas à digitalização. Em maio deste ano, a companhia anunciou a Vector, uma empresa independente de logística com foco na digitalização do processo de contratação de fretes rodoviários criada em sociedade com a Target, provedora de soluções em logística e tecnologia.

A empresa surgiu da experiência das sócias no desenvolvimento conjunto de um aplicativo de contratação digital de fretes para a operação da Bunge no Brasil, que foi um grande sucesso. Batizado com o nome posteriormente adotado pela nova empresa, o aplicativo Vector funciona de forma integrada ao sistema operacional do embarcador, comunicando-se com os locais de carga e descarga. Isso permite não só o agendamento do frete pelo caminhoneiro no aplicativo como também a distribuição, via sistema, de todos os documentos de transporte, garantindo a carga ao motorista sem qualquer necessidade de contato entre as partes. A integração junto ao embarcador promovida pelo Vector garantiu alta adesão de caminhoneiros e transportadoras à solução. Implantado na operação da Bunge no início de 2020, em pouco mais de um ano, o app já havia viabilizado 557 mil viagens e o pagamento de R$ 2,6 bilhões em fretes. Hoje, os volumes contratados via aplicativo representam 97% de tudo o que a Bunge transporta pelo modal rodoviário no país. A solução, a partir da empresa Vector, está disponível ao mercado.

Na área de exportações, foi também neste ano que a iniciativa Covantis, da qual a Bunge é co-fundadora em conjunto com outras tradings, lançou sua plataforma blockchain para melhorar a velocidade e a segurança tecnológica das operações de exportação no comércio global, começando pelo Brasil. "Como é possível notar, estamos em uma jornada importante de transformação digital e vamos continuar estimulando o desenvolvimento de novas soluções", destaca Garros. A Bunge também aposta em se aproximar cada vez mais do ecossistema de startups. No início de 2021, tornou-se parceira do AgTech Garage, principal hub de inovação especializado no agronegócio.

Compromisso com o planeta
Apesar dos desafios causados pela pandemia, a empresa não enfrentou rupturas em suas operações. Entre projetos de sustentabilidade, atualmente está dedicada a construir cadeias de fornecimento de soja cada vez mais verificáveis e transparentes. O monitoramento com apoio de imagens de satélite da Bunge cobre mais de 8,3 mil fazendas no Cerrado – é o mais amplo do setor – e já corresponde a 96% do fornecimento direto de soja da empresa na região (quando a compra é feita diretamente com o produtor). "Também implantamos processo de verificação externa dos nossos dados de rastreabilidade e monitoramento para ampliar ainda mais a segurança em torno da nossa cadeia de suprimentos responsável", conta Garros.

O foco do monitoramento também está sendo ampliado para o fornecimento indireto. Em março deste ano, foi lançado o Parceria Sustentável Bunge, programa inédito no setor para auxiliar revendas de grãos a implantarem sistemas de avaliação socioambiental de fornecedores, incluindo o monitoramento por satélite. O objetivo com a iniciativa é ampliar o monitoramento das fontes indiretas de fornecimento no Cerrado de 30% para 100% até 2025. Recentemente, a empresa anunciou a meta de reduzir suas emissões em 25% até 2030, após declaração junto a outras empresas na Conferência da Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP 26) a favor da aceleração das ações contra mudanças climáticas na indústria. Mais um reflexo de que, para a Bunge, já não basta apenas o crescimento: é preciso fazê-lo de maneira planejada e sustentável.

Este conteúdo integra o ranking 500 MAIORES DO SUL, publicado pelo Grupo AMANHÃ com o apoio técnico da PwC. Leia o anuário completo clicando aqui, mediante pequeno cadastro.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 23 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/