Sidebar Menu

Guedes diz aos governadores do Sul que não faltará dinheiro para a saúde

Bolsonaro reiterou a intenção de suspender pagamento das dívidas e facilitar a obtenção de investimentos

Os governadores da região Sul se reuniram na manhã desta terça-feira (24) em uma videoconferência entre o presidente Jair Bolsonaro. Bolsonaro reiterou a sua intenção de ajuda econômica às unidades federativas, com a suspensão do pagamento das dívidas e a facilitação da obtenção de investimentos, com a redução dos entraves burocráticos.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, garantiu que chegarão aos Estados os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para os funcionários da saúde. Para o ministro, a volta da normalidade na China traz a expectativa de que a produção e a logística de transporte de materiais que lá são produzidos também retomem a periodicidade costumeira. Mandetta informou que nesta quarta-feira (25) deverá reunir-se com secretários estaduais de saúde. Ele adiantou que, em função do inverno, os estados do Sul deverão receber atenção especial. Já o ministro da Economia, Paulo Guedes, por sua vez, disse que não faltará dinheiro para a saúde enquanto durar a crise do coronavírus.

Em sua fala, o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (foto), explicou as medidas de restrição adotadas pelo estado e os resultados obtidos no combate ao enfrentamento do coronavírus. Moisés anunciou a prorrogação por mais sete dias das determinações de restrição do convívio social em Santa Catarina. Dessa maneira, as medidas passam a valer até a próxima terça-feira (31).

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, relatou durante uma live no fim da manhã que também pediram que órgãos internacionais posterguem vencimento de dívidas não apenas com Estados, mas também com estatais. No que diz respeito à questão econômica, Leite ressaltou que as medidas anunciadas pelo governo federal em relação à suspensão do pagamento da dívida não trazem benefícios ao Rio Grande do Sul. "Estados como Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Góias, que passam por grandes dificuldades econômicas, não são atendidos, porque, seja por força de liminar ou pelo Regime de Recuperação Fiscal, já não pagam as parcelas da dívida com a União", alertou.

O governo paranaense solicitou agilidade da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) na liberação de empréstimos solicitados pelos Estados e já autorizados no Senado, e também propôs ao governo federal a ampliação do prazo para pagamentos de precatórios. As duas medias podem contribuir para o fluxo de caixa dos Estados neste momento de crise em razão da pandemia do coronavírus. O governador do Paraná, Ratinho Junior, não concedeu entrevista depois do encontro com Bolsonaro, mas fará um pronunciamento às 15 horas para anunciar um pacote de medidas que o Estado adotará para mitigar os impactos causados pela pandemia do novo coronavírus na economia. 

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 11 Agosto 2020

Imagem do Captcha


Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/

No Internet Connection