Sidebar Menu

Adimax ingressa na região Sul pelo Paraná

Indústria de ração animal vai investir R$ 14,6 milhões em fábrica em Mandirituba
De acordo com Comunello, a previsão é de que a unidade paranaense se transforme no segundo polo produtivo do grupo em volume e faturamento, atrás apenas da matriz, instalada no interior de São Paulo

O governador Carlos Massa Ratinho Junior e o presidente da Adimax, Adir Comunello (na foto, à esquerda), anunciaram nesta quarta-feira (27), no Palácio Iguaçu, um novo empreendimento no Paraná. A indústria de fabricação e distribuição de alimentos para cães e gatos vai investir R$ 14,6 milhões na abertura de uma planta em Mandirituba, na Região Metropolitana de Curitiba. O cronograma prevê que a empresa comece a funcionar até o fim de 2021. A estimativa inicial é que possa abrir 100 novos postos de trabalho, entre empregos diretos e indiretos.

A Adimax tem quatro plantas no Brasil. A maior delas está localizada na cidade de Salto do Pirapora, interior de São Paulo. A principal atividade é a fabricação e distribuição de alimentos para cães e gatos. A empresa produz as marcas Magnus, Fórmula Natural, Qualidy e as linhas Sopão, Domus, Gatan, Adidog, Capitão Dog e Fort Cão.

O empreendimento foi enquadrado no programa de incentivo fiscal para atração de investimentos ao Estado, que prevê medidas como dilação de prazos para recolhimento do ICMS, incentivos para melhoria da infraestrutura, comércio exterior, desburocratização e capacitação profissional. O governador destacou que o investimento por parte da Adimax vai colaborar no processo de retomada econômica do Estado no pós-Covid. "Fortalece a economia paranaense e melhora vida das famílias diretamente. É mais um cartão de visitas que o Paraná ganha para atrair novos investimentos", ressaltou.

O presidente da Adimax, Adir Comunello explicou que a planta paranaense será a quinta da indústria no país, a primeira da Região Sul. A fábrica de Mandirituba será responsável por abastecer os mercados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. "Recebemos toda a atenção do governo estadual em relação a incentivos e infraestrutura. Estamos nos sentindo muito bem acolhidos. Pretendemos ajudar a trazer mais empresas para a cadeia, terceiros que estão atrás do nosso negócio, como, por exemplo, para o setor logístico", comentou o empresário.

Ele destacou, também, que a indústria vai priorizar a contratação de mão de obra local. A intenção, ressaltou, é que o número de empregos possa chegar na casa dos 300 postos dependendo da resposta do mercado e de futuras ampliações na sede local. "Na medida em que a marca for crescendo, ampliaremos também nossos quadros", prometeu. De acordo com Comunello, a previsão é de que a unidade paranaense se transforme no segundo polo produtivo do grupo em volume e faturamento, atrás apenas da matriz, instalada no interior de São Paulo.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 05 Julho 2020

Imagem do Captcha


Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/

No Internet Connection