Sidebar Menu

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/

Foz do Iguaçu terá o primeiro “bairro inteligente” do Brasil

Protocolo de intenções assinado entre PTI e a prefeitura dá início ao Programa Acelera Foz
O Programa Vila A Inteligente é uma iniciativa do Parque Tecnológico em conjunto com a Itaipu Binacional e a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial

A Vila A (foto) será o primeiro bairro do Brasil a ter tecnologias voltadas a tornar as cidades inteligentes testadas e demonstradas, com o objetivo de promover melhorias em áreas como segurança pública e mobilidade urbana. O projeto integra um protocolo de intenções assinado entre o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) e a prefeitura de Foz do Iguaçu nesta quarta-feira (20). A transformação da Vila A é uma das ações previstas no protocolo, que prevê também a facilitação da instalação de empresas de base tecnológica no município e a integração do Parque Tecnológico com o Centro Municipal de Inovação.

O Programa Vila A Inteligente é uma iniciativa do Parque Tecnológico em conjunto com a Itaipu Binacional e a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). O projeto estende ao bairro as soluções implementadas no Laboratório Vivo de Cidades Inteligentes do Parque Tecnológico com o apoio da ABDI, e onde concentram-se tecnologias como, por exemplo, as luminárias inteligentes com reconhecimento facial e o monitoramento por drones. Também poderão ser instaladas novas tecnologias, por meio da parceria com empresas e startups que tiverem interesse em validar seus produtos.

A escolha da Vila A como ambiente de demonstração se deve a algumas características específicas do bairro, como possuir uma associação de moradores, que reúne dados relacionados à segurança; equipamentos públicos de lazer, como o Gramadão; e uma infraestrutura que envolve conectividade (fibra ótica). Para dar início ao projeto será preciso uma regulamentação específica para transformar a Vila A em um ambiente de testes e demonstrações de tecnologias, já prevista no protocolo. A partir de então, serão definidas as estratégias de implementação do programa, que deve ser feito por fases, conforme a definição das áreas prioritárias e que possuam a infraestrutura lógica necessária para a instalação das tecnologias.

Além de tornar a Vila A uma área demonstrativa de cidade inteligente, o que, conforme o conceito da ABDI, proporcionará aos moradores melhoria da qualidade vida, por meio da inclusão e participação social; a iniciativa também pretende fomentar a indústria nacional, ao atrair empresas interessadas em validar suas soluções. A intenção é que a Vila A seja apenas o início, e o que projeto sirva como modelo para outros bairros e municípios.

"O Parque Tecnológico tem o propósito de disponibilizar à sociedade tecnologias que proporcionem uma melhor qualidade de vida aos cidadãos. Essa é a base deste projeto, que visa também incentivar o empreendedorismo, com a possibilidade da testagem e validação de inovações", afirma o general Eduardo Garrido, diretor superintendente do PTI.

Atração de empresas
A parceria entre o PTI e a prefeitura também prevê um espaço no Distrito Industrial de Foz do Iguaçu para empresas de base tecnológica, que converge com a intenção do Programa Acelera Foz, lançado na última semana, de atrair empreendedores para a cidade. O objetivo é oferecer aos empresários condições diferenciadas para instalação. O protocolo possibilita ainda a atuação do Parque Tecnológico junto com a prefeitura na implementação do Centro Municipal de Inovação, que vai abrigar startups.

Veja mais notícias sobre InfraestruturaParaná.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 02 Junho 2020

No Internet Connection