Sanepar pode ter segunda planta do mundo de hidrogênio renovável

Projeto está sendo feito em parceria com a empresa alemã Graforce
O termo de parceria entre as empresas foi assinado pelo presidente da Graforce, Jens Hanke, e o diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile

A Sanepar pode ter a segunda planta do mundo de hidrogênio renovável em parceria com a empresa alemã Graforce. O termo de parceria entre as empresas foi assinado na terça-feira (28), em Berlim, pelo diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile, e o presidente da Graforce, Jens Hanke. A parceria visa o desenvolvimento de estudos sobre produção de hidrogênio renovável, a partir da plasmólise do biometano, oriundo do tratamento do esgoto. A Graforce foi quem desenvolveu a tecnologia de plasmólise para produção de hidrogênio renovável a partir do biogás ou do esgoto. Em maio, o presidente da Sanepar e o gerente de pesquisa e inovação, Gustavo Possetti, visitaram a fábrica e o centro de pesquisas da Graforce, em Berlim.

Essa parceria é fruto do acordo de cooperação técnica assinado entre a Sanepar e a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha do Rio de Janeiro (AHK-Rio), que visa o desenvolvimento de estudo de viabilidade de tecnologias renováveis (verdes) na produção de hidrogênio em estações de tratamento de esgoto no Paraná. O projeto conta com recursos do governo da Alemanha, por meio do Ministério Federal do Meio Ambiente, Natureza, Segurança Nuclear e Proteção (BMUV) e da NOW GmbH, empresa pública que conduz o Programa Nacional de Inovação para Hidrogênio e Tecnologia de Células de Combustível.

A Sanepar processa mais de 476 bilhões de litros de esgoto por ano em suas 263 estações de tratamento. Essas estações, em sua maioria, são dotadas de reatores anaeróbios e geram, consequentemente, biogás. "A produção do hidrogênio renovável a partir do biogás é convergente com as características das cadeias produtivas já consolidadas no Paraná. Trata-se de uma abordagem disruptiva para o setor de saneamento brasileiro e muito aderente às agendas internacionais focadas na promoção das economias circular e de baixo carbono", afirma Gustavo Possetti.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 15 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/