Câmara aprova projeto dos "combustíveis do futuro"

Proposta será enviada ao Senado
A partir da publicação da proposta como lei, a nova margem de mistura de etanol à gasolina passará de 22% para 27%, podendo chegar a 35%

A Câmara dos Deputados concluiu a votação do projeto de lei dos "combustíveis do futuro", que cria programas nacionais de diesel verde, de combustível sustentável para aviação e de biometano, além de aumentar a mistura de etanol e de biodiesel à gasolina e ao diesel, respectivamente. A proposta será enviada ao Senado. O texto aprovado é um substitutivo do deputado Arnaldo Jardim (Cidadania-SP) para o Projeto de Lei 528/20, do ex-deputado Jerônimo Goergen, tomando como base o PL 4516/23, do Poder Executivo. A partir da publicação da proposta como lei, a nova margem de mistura de etanol à gasolina passará de 22% para 27%, podendo chegar a 35%. Atualmente, a mistura pode chegar a 27,5%, sendo, no mínimo, de 18% de etanol. Quanto ao biodiesel, misturado ao diesel de origem fóssil no percentual de 14% desde março deste ano, a partir de 2025 será acrescentado 1 ponto percentual de mistura anualmente até atingir 20% em março de 2030, segundo metas propostas no texto.

O relator do projeto, deputado Arnaldo Jardim, defendeu a aprovação da proposta. "É um projeto estratégico para que o Brasil consolide sua vocação agro, para que aprofunde a conquista da matriz energética limpa, renovável e sem paralelos no mundo e para termos uma matriz de biocombustíveis sem paralelos também", afirmou. Segundo ele, os biocombustíveis vão criar uma cadeia formidável de investimento para diferentes setores da economia brasileira. "São um passaporte para o Brasil ser uma das vanguardas do mundo na nova economia, a de baixo carbono."

Ele explicou que o projeto segue a lógica estabelecida pela Medida Provisória 1205/23, que instituiu o Programa Mover (Mobilidade Verde e Inovação) para apoiar a descarbonização dos veículos brasileiros, o desenvolvimento tecnológico e a competitividade global. Jardim também defendeu a adição paulatina do chamado combustível sustentável de aviação (Sustainable Aviation Fuel - SAF) no querosene da aviação. Segundo o relator, a expectativa é que o Brasil seja um exportador da bioquerosene. "Tenho muito entusiasmo, não só pela questão ambiental, mas pela oportunidade de sermos exportadores. O Brasil não só suprirá, mas poderá ser uma grande plataforma de produção do BioQAV [Combustível Sustentável de Aviação]", declarou. Ele ressaltou que essa mudança não impactará em grande medida o aumento do preço das passagens aéreas.

Jardim lembrou que o biometano seguirá o caminho do etanol e da energia solar e terá preço competitivo. "Aquilo que é virtuosidade do etanol, a força do biodiesel daqui a pouco será o biometano. Vamos ampliar a produção, ter ganho de escala", afirmou. Ele lembrou que, na Conferência do Clima das Nações Unidas em Glasgow, Escócia (COP26), em 2022, houve um pacto mundial para reduzir a produção de metano, gás com maior impacto ambiental que o carbônico. "Diminuir isso significa criar o biometano, ser fonte descarbonizadora, agregadora de valor", defendeu. Segundo ele, o metano brasileiro vem principalmente de lixões, aterros e do setor de proteína animal.

Com Agência Câmara de Notícias

Veja mais notícias sobre AMANHÃ SustentávelBrasilEconomia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 16 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/