BRF e AES construirão parque eólico no RN

Investimento será de R$ 825 milhões
Com a parceria, companhia catarinense terá um terço da necessidade energética de suas operações atendidas a partir de fontes limpas

A BRF, a segunda maior empresa da região, de acordo com o ranking 500 MAIORES DO SUL, anunciou nesta terça-feira (17) a formação de uma joint venture com subsidiária da AES Brasil para a construção de um parque eólico em Cajuína, no Rio Grande do Norte. O empreendimento terá capacidade instalada de 160MW e geração de 80MW médios anuais, a serem comercializados por meio de um contrato de compra e venda de energia que será válido por 15 anos. O investimento total estimado é de R$ 825 milhões, sendo que a BRF investirá de forma direta aproximadamente R$ 80 milhões, a serem desembolsados durante o desenvolvimento do projeto. O início das operações do parque está previsto para 2024 e esta joint venture ainda está sujeita à aprovação das autoridades competentes.

Com essa iniciativa, a empresa avança em seu compromisso de se tornar Net Zero até 2040, priorizando fontes de energia limpa como a eólica e a solar. "Estimamos ainda que, ao longo de 15 anos, teremos ganhos da ordem de R$ 735 milhões em redução de custos. A parceria irá nos proporcionar o atendimento de um terço de nossas necessidades energéticas no Brasil, além de mitigar riscos de escassez de abastecimento, oferecer custos de produção mais competitivos e contribuir para a redução das emissões de gases de efeito estufa", afirma Lorival Luz, CEO global da BRF.

Em junho, a BRF anunciou o compromisso em ser Net Zero em emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2040, tanto em suas operações como em sua cadeia produtiva. Até 2030, a empresa catarinense reduzirá as emissões diretas geradas pelas operações da empresa (escopo 1), indiretas originadas pelo consumo de energia elétrica ou térmica (escopo 2) e as emissões indiretas e que não pertencem à companhia (escopo 3), além de neutralizar emissões residuais até 2040. Para atingir as metas, além dos investimentos em energia, a empresa atuará em frentes que incluem a compra sustentável de grãos, agricultura de baixo carbono e eficiência operacional.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 21 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/