South Summit Brazil e um novo olhar sobre Porto Alegre

O desafio para que o evento acontecesse não foi pequeno
Quem circulou pelos espaços pôde sentir a energia positiva e fazer várias conexões

Nos dias 4, 5 e 6 de maio Porto Alegre foi sede de um dos maiores eventos internacionais de inovação e fomento a startups — a South Summit — que teve sua primeira edição no Brasil em solo gaúcho.

Todos os números envolvidos são impressionantes. Destaco aqui apenas alguns deles: público de mais de 20 mil pessoas com participantes de cerca de 50 países, mais de 500 palestrantes sendo 50 deles internacionais, 7.500 representantes de empresas internacionais, mais de 1 mil projetos inscritos para a competição de startups de 76 países diferentes, cerca de 40 mil contatos realizados via aplicativo, mais de 450 investidores incluindo 20 fundos internacionais com uma carteira de investimento que somou mais de R$ 65 bilhões para o estado do Rio Grande do Sul.

Mas o que quero enfatizar não são os números objetivos e sim os demais impactos que a South Summit Brazil trouxe para a nossa cidade. O desafio para que ela acontecesse não foi pequeno. O tempo decorrido entre o fechamento do acordo para trazê-la e a sua realização foi escasso. Muito pequeno para dar conta de todas as providências exigidas por um empreendimento desse porte. Mas seguindo o espírito das startups que a South Summit fomenta, onde faltou prazo e recursos, sobrou energia e muita disposição para fazer acontecer. Toda startup começa com um MVP (sigla em inglês para Minimum Viable Product, ou Mínimo Produto Viável) e segue escalando de forma incremental a partir de acertos e erros, corrigindo a rota dinamicamente. Certamente existe uma série de aspectos a serem contornados para as edições futuras. Foram muitos os aprendizados nesses três dias de South Summit Brazil. Mas o consenso que fica é que o saldo foi extremamente positivo.

A escolha do Cais do Porto como local sede provou-se acertada, porém foi necessário um esforço comunitário para deixá-lo em condições. Para tal, tivemos a grata satisfação de presenciar a colaboração entre esfera pública, iniciativa privada, academia e instituições, todas com foco em um objetivo comum.Quem é gaúcho conhece bem a nossa tendência histórica para a polarização. E o que se viu foi uma inédita convergência, um espírito de colaboração, sinal do início de uma transformação de mindset tão necessária para o futuro da nossa sociedade.

Já durante o evento o que aconteceu foi uma grande celebração. Com ares de festival, diversos segmentos se integraram — tecnologia, sustentabilidade, inovação e criatividade — gerando novas experiências e muitos negócios. Quem circulou pelos espaços pôde sentir a energia positiva e fazer várias conexões. A sensação é que passamos de meros espectadores de um mundo em transformação para sermos protagonistas neste processo.

Mais do que sediar, Porto Alegre abraçou a South Summit Brazil, e já estamos colhendo os primeiros frutos dessa acolhida. E o melhor dessa história? É que isso não é uma conclusão e sim apenas o início. Que venha a South Summit Brazil 2023!

Nota relevante: Parabenizo a todos os envolvidos que contribuíram de alguma forma para a realização da primeira edição da South Summit Brazil, e em especial a equipe da 4all pelo empenho e nos presentear com esse belo evento, a equipe da Yours Bank pelo merecido prêmio e à Assespro-RS por possibilitar um maior envolvimento através da sua contribuição como Infra Partner.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 23 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/