RIC investirá R$ 20 milhões em tecnologia e novas unidades de negócios

Grupo de comunicação também lança nova marca e amplia foco no digital
“Pretendo levar essa empresa ao dobro de faturamento. E 30% dele virão do digital”, estima o presidente do Grupo RIC, Leonardo Petrelli, prevendo um cenário promissor para os próximos cinco anos

O Grupo RIC apresentou em 2021 seu melhor resultado financeiro e de audiência, na véspera dos 35 anos de atividades, que completa neste ano. Com um crescimento de 25% nas receitas, fechou 2021 com um Ebtida (lucro antes de juros e impostos) de 32% e lucro líquido de 22%. A consolidação da empresa como a maior produtora multiplataforma do Paraná, e uma das maiores empresas de comunicação regional do país, vai ser expressa na nova marca, que será lançada na segunda quinzena de maio.

Uma ampla campanha publicitária em todo estado do Paraná e em veículos de abrangência nacional posiciona a empresa como líder de mercado na entrega multiplataforma e vice-líder em audiência entre as TVs do Paraná, com o mote "O maior grupo multimídia do Paraná". Maior afiliado da Record e da Jovem Pan, o grupo fala mensalmente com 4,5 milhões de telespectadores de TV, 1,6 milhão no rádio, 3,6 milhões no portal RIC Mais e tem 2 milhões de inscritos nos canais do Youtube, além de outros 2 milhões no Facebook e Instagram.

"Somos crossmedia, geramos mais de 190 milhões de impactos por mês, o que representa para o anunciante um plano de mídia assertivo, amplo e com complementaridade de audiências. Juntos somos mais fortes e reunimos os maiores números de audiência do Paraná", diz o presidente e cofundador do grupo, Leonardo Petrelli. A atual etapa de crescimento vem de um plano iniciado há cinco anos, período em que investiu cerca de R$ 30 milhões na transformação para o digital do parque analógico das suas rádios e emissoras de TV. Em 2022 uma nova rodada de investimentos, no valor de R$ 20 milhões, vai fazer avançar o projeto RICtech, para tornar-se uma empresa de tecnologia de mídia.

"Nosso desafio é nos transformarmos em uma empresa de dados, sendo cada vez mais relevantes para o nosso público, por meio de todas as plataformas disponíveis. TV não é mais só TV, rádio também é TV, revista também está no digital e todos estão nas redes sociais. Hoje não falamos mais com um público estático, mas com os IPs de cada pessoa interessada no Paraná, esteja ela aqui ou em qualquer lugar do mundo", afirma Petrelli.

A meta de crescimento para este ano é de 25%. O cálculo leva em conta a chegada de novos veículos, como duas rádios Jovem Pan News, em Curitiba e em Londrina, que foram inauguradas no primeiro trimestre, e mais uma que está prestes a entrar no ar na cidade de Maringá. E também está ligada à criação de novas unidades de negócios, o que resultou em verticais inéditas no grupo e para o mercado.

As novas unidades de negócio ampliam a atuação do grupo e fortalecem sua presença no mundo digital, com o crescimento da audiência nas redes sociais. O RIC Lab vai liderar a inovação dentro da empresa, como um braço de produção de audiovisual em um estúdio moderno e dedicado a prestar serviços para o mercado, assim como em outras locações, para alcançar novos públicos por meio de parcerias. O RIC Podcast permite criar equipes customizadas para cada programa, criando desde o conteúdo até a melhor estratégia de distribuição para que o cliente garanta audiência. Com formato também em vídeo, ele pode ser produzido dentro da estrutura de rádio da RIC ou in company. Já o RIC Play será uma plataforma de OTT, reunindo toda a produção do Grupo RIC em um ambiente único para consumo.

Outras marcas já consolidadas foram reestruturadas. Com o RIC Rural Hub, o tradicional programa jornalístico de TV dedicado ao agronegócio ganha nova escala, incorporando outros serviços do universo agro para ampliar sua escala e entregar conteúdo em rádio, impresso e digital. A Spark, plataforma de marketing de influência, ampliou a equipe comercial e de social branded. Com isso, as campanhas dos anunciantes ganham curadoria especial também para performar no mercado de influenciadores. Além disso, a unidade passa a agenciar o trabalho de todos os influenciadores do grupo. As novidades contemplam ainda o lançamento da Joy Eventos, focada na produção de eventos e shows, e da Quintal Ventures, unidade criada pelo grupo que vai investir R$ 2 milhões na aceleração de startups ao longo deste ano.

A pandemia da Covid-19 interrompeu momentaneamente em 2020 o crescimento de 20% que o grupo vinha cravando a cada ano. Teve maior efeito sobre o faturamento das rádios do grupo, especialmente com o baque sofrido pelo setor de entretenimento. Mas a recuperação veio em alta velocidade. Já no ano passado as receitas voltaram a crescer e a estimativa para 2022 supera a média. O negócio TV seguiu evoluindo, principalmente no interior, com grande expansão nas emissoras de Londrina, Maringá e Cascavel, onde conquistou a vice-liderança.

Além disso, a companhia paranaense não encolheu e não demitiu. Ao contrário, reforçou as equipes com novas competências e fez aquisições em rádio que fortaleceram a cobertura. De olho nas oportunidades, Petrelli antecipa que está prestes a comprar uma empresa de out of home (empresas de mídia exterior, como mobiliário urbano e outdoors). O empresário também vislumbra um cenário promissor para os próximos cinco anos. "Pretendo levar essa empresa ao dobro de faturamento. E 30% dele virão do digital", estima Petrelli.

Veja mais notícias sobre Negócios do SulEmpresaParaná.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 27 Junho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/