Fapesc investe em novos estudos para produção de vinho em SC

Santa Catarina produz 1,5 milhão de garrafas de vinhos finos por ano
A produção abrange ainda uma área de cultivo de cerca de 6 mil hectares

Se o vinho tem a fama de ajudar quem produz conhecimento, chegou a hora da situação inverter. A ciência vai agora contribuir para a melhoria na produção de vinho e uvas. É o que a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) pretende com investimento de R$ 1 milhão em pesquisa aplicada na área.

O edital 36/2021 vai contemplar até cinco projetos de pesquisa com R$ 200 mil cada. Podem se inscrever pesquisadores doutores vinculados a instituições de ciência e tecnologia de Santa Catarina. O prazo encerra já em 1º de outubro.

Essa chamada pública vem contemplar uma das áreas em que Santa Catarina é destaque nacional e internacional. Segundo informações do Sindicato da Indústria do Vinho de Santa Catarina (Sindivinho), o estado foi responsável pela produção de 60 mil toneladas de uva e 35 milhões de litros de vinho em 2019.

"Santa Catarina tem se destacado primordialmente, no setor vitivinícola, por profissionais capacitados e inúmeros vinhos originários de valorosas pesquisas e que estão aí demonstrando a qualidade e a tipicidade dos produtos da região, proporcionando maior competitividade ao estado", destaca Everson Fernando Suzin, presidente do Sindivinho.

A produção de uvas e vinho abrange ainda uma área de cultivo de cerca de 6 mil hectares em diferentes regiões. Só de vinícolas, são 95 empresas registradas em Santa Catarina. A pesquisa pode ser uma aliada para ampliar esse setor produtivo e tornar o estado um expoente. Suzin aponta que entre as melhorias possíveis estão o desenvolvimento de variedades resistentes a doenças e porta-enxertos e clones mais adaptados à região.

Referência em vinhos de altitude
Quando se fala em vinho catarinense, vem logo a imagem dos vinhos finos de altitude. Esses vinhos são produzidos em áreas entre 900 a 1,4 mil metros acima do nível do mar, especialmente na Serra catarinense. Mas outras regiões também têm se destacado, especialmente em premiações nacionais e internacionais.

Santa Catarina produz 1,5 milhão de garrafas de vinhos finos por ano. A meta da Associação de Vinhos de Altitude de Santa Catarina é quadruplicar esse montante nos próximos anos. "Quem investe em vinhos finos de altitude em Santa Catarina, não é só para fazer vinho fino de qualidade, mas para moldar uma região", explica Humberto Conti, presidente da associação.

Esses investimentos têm mudado uma cultura local que agora se desenvolve em torno do enoturismo e da enogastronomia. Fatores geográficos também são determinantes para que o setor tenha esse "boom" na produção de vinhos. A condição climática catarinense permite ter mais horas de frio e amplitude térmica. Com isso, a maturação é lenta e o vinho tem condições específicas, como acidez, equilíbrio e complexidade.

Conhecimentos avançados têm permitido usar os fatores naturais e garantir uma bebida de alta qualidade. "Estamos iniciando uma tradição com toda uma tecnologia disponível", reforça Conti.

Veja mais notícias sobre Negócios do SulSanta Catarina.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 21 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/