Empresa J.Macêdo é a primeira a se instalar na nova Cidade Industrial de Londrina

O empreendimento terá investimento inicial de R$ 250 milhões
A estrutura vai ocupar uma área de 276 mil metros quadrados e deve ser a maior da Cidade Industrial Londrina

O governador Carlos Massa Ratinho Junior participou nesta quinta-feira (14) do lançamento da pedra fundamental do novo empreendimento do grupo J.Macêdo em Londrina, no Norte do Estado. Uma das maiores empresas do ramo alimentício do Brasil, dona de marcas como Dona Benta e Sol, a companhia é a primeira a se instalar na nova Cidade Industrial de Londrina, complexo que está em implantação com apoio do governo estadual. Dividido em três fases, o empreendimento terá investimento inicial de R$ 250 milhões, com a geração de 200 empregos e previsão de conclusão no início de 2026. Nas fases 2 e 3, serão investidos entre R$ 600 milhões e R$ 700 milhões, totalizando 800 empregos no novo parque industrial da J.Macêdo. A estrutura vai ocupar uma área de 276 mil metros quadrados e deve ser a maior da Cidade Industrial Londrina, que abrange área total de 1,1 milhão de metros quadrados – a previsão é que abrigue cerca de 100 empresas de diversos portes.

A J.Macêdo é uma das maiores empresas de alimentos do Brasil, líder e referência nacional nos segmentos de farinha de trigo e de misturas para bolos e a segunda maior companhia de massas alimentícias, com atuação em Londrina desde 1975. A nova unidade faz parte do plano de expansão de longo prazo da companhia, que será executado em três fases. A primeira fase será a construção de um moinho. A estrutura vai mais do que quadruplicar a atual capacidade de processamento da empresa em Londrina, chegando a 450 mil toneladas por ano. O investimento também contempla o armazenamento de 40 mil toneladas de trigo em grão e um Centro de Distribuição que vai atender a Região Sul e parte das Regiões Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. A conclusão dessas obras está prevista para abril de 2026.

O diretor-presidente da J.Macêdo, Irineu José Pedrollo, destacou o salto de tecnologia que a companhia vai dar com a nova estrutura na Cidade Industrial de Londrina. Segundo o executivo, a unidade será uma das principais bases de produção da empresa em todo Brasil. "Há uma diferença de tecnologia brutal. O nosso atual moinho é da década de 1950, e esse é um projeto do século 21, incorporando a mais moderna tecnologia. Nós produzimos hoje 100 mil toneladas por ano de trigo e nessa nova estrutura vamos processar na primeira fase 220 mil toneladas. Com a ampliação, iremos para 450 mil toneladas de trigo processadas", afirmou.

Cidade Industrial de Londrina
O governo paranaense está investindo R$ 36,7 milhões para a construção da Cidade Industrial de Londrina. O valor foi disponibilizado pela Secretaria de Estado das Cidades (Secid), via Sistema de Financiamento de Ações nos Municípios (SFM). Ratinho Junior também anunciou que o Estado vai ajudar a concretizar a duplicação da Avenida Saul Elkind, que dá acesso ao local. Ela começou a ser construída há cerca de um ano, em abril de 2023, e está com 32% das obras executadas. A previsão de conclusão é no segundo semestre desse ano. A expectativa é de que ao menos 10 mil empregos sejam gerados pelo empreendimento industrial. Alguns dos atrativos são a proximidade com postos de combustíveis, faixas verdes aos fundos e no miolo do terreno, e o formato em loteamento fechado para garantir e inspirar segurança e economicidade, num sistema de gestão compartilhada.

J.Macêdo, Irineu José Pedrollo, Cidade Industrial de Londrina

Veja mais notícias sobre Negócios do SulEmpresaParaná.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 24 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/