Varejo puxa resultado da Positivo Tecnologia

Área representa 59,8% da receita da companhia
A evolução dessa unidade de negócio é resultado do aumento de venda de computadores e itens de mobilidade

A Positivo Tecnologia obteve receita bruta R$ 940 milhões no segundo trimestre, crescimento de 89,1% comparado ao mesmo período de 2020. Já no acumulado anual, as vendas somaram R$ 1,7 bilhão, aproximadamente 67% do valor alcançado em todo o ano passado. A unidade de vendas no varejo (Consumer), que representa 59,8% da receita da companhia, fechou o semestre com um salto de 130,7% em relação ao mesmo período de 2020. A evolução dessa unidade de negócio é resultado do aumento de venda de computadores e itens de mobilidade (celulares e tablets) no período. Somente a receita com notebooks cresceu em 120,7%, enquanto em tablets e celulares este número variou em 91,6%.

O faturamento da unidade de vendas corporativas fechou junho com R$ 278,8 milhões, 36% maior comparado ao primeiro semestre do ano passado. De acordo com a Positivo, essa área vem se destacando devido uma maior necessidade das empresas brasileiras em renovar seus parques tecnológicos e por uma maior demanda por notebooks em detrimento a desktops no modelo de trabalho do pós-pandemia. 

Potencializada por um maior número de licitações no país e pela necessidade de instituições públicas de ensino se adaptarem ao modelo virtual, a comercialização para instituições públicas fechou o semestre em R$ 424,8 milhões, 53,6% de crescimento em comparação ao igual período de 2020. A empresa ressalta, porém, que a receita com a venda de urnas eleitorais não está incluída no resultado do primeiro semestre. O lucro líquido apurado entre abril e junho alcançou R$ 51,5 milhões contra prejuízo líquido de R$ 8,6 milhões no segundo trimestre de 2020 (veja os principais indicadores ao final desta reportagem).

Sobre a crise mundial dos circuitos integrados, a Positivo se diz bastante otimista que conseguirá fornecer todas as entregas até dezembro. "Já estamos notando um arrefecimento na alta de preços dos componentes, o que pode significar que já chegamos ao pico da crise, mas julgamos que ainda é prematuro concluir quando haverá a normalização total da cadeia de suprimentos", revela a companhia paranaense em seu relatório trimestral. A Positivo também menciona uma crise logística na Ásia, em especial na China, que deve se normalizar nas próximas semanas.

Veja mais notícias sobre EmpresaNegócios do SulParaná.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 21 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/