Engie registra lucro líquido 10,1% menor no primeiro trimestre

A queda foi resultante da venda da Pampa Sul e da alienação parcial da participação na TAG
Investimentos no período somaram R$ 3,7 bilhões, dedicados à aquisição de empreendimentos de geração renovável e construção de novos projetos

A Engie registrou lucro líquido ajustado de R$ 793 milhões, 10,1% abaixo do reportado no comparativo com o mesmo período de 2023. A queda foi resultante da venda da Usina Termelétrica Pampa Sul, em maio de 2023, e da alienação parcial da participação na Transportadora Associada de Gás — TAG, em janeiro desse ano. O Ebitda ajustado foi de R$ 1,8 bilhão, redução de 12,1% em relação ao mesmo período de 2023. A ausência dos contratos do ambiente regulado vinculados à UTE Pampa Sul, com preço acima da média no portfólio, bem como a consequente redução da quantidade de energia vendida, impactaram também a receita operacional líquida, que neste primeiro trimestre foi de R$ 2,6 bilhões, queda de 10,4% frente ao mesmo período do ano anterior.

Para manter a solidez dos resultados, além de investir em novos empreendimentos de energia renovável, a companhia também concretizou um marco de crescimento com a aquisição de ativos com energia já contratada. "A empresa vem recompondo o seu portfólio ao longo dos últimos anos com foco em geração renovável e infraestrutura de transmissão. Demos mais um passo neste sentido ao concluirmos, em 6 de março, a aquisição dos conjuntos fotovoltaicos Juazeiro, São Pedro, Sol do Futuro, Sertão Solar e Lar do Sol, altamente contratados no longo prazo a preços superiores à média do portfólio da companhia", destaca Eduardo Sattamini, diretor-presidente da Engie. Com a evolução da abertura do mercado livre de energia entre janeiro e março, empresa sediada em Florianópolis também continuou a fortalecer sua presença junto a empresas de diferentes portes em todas as regiões do país. No comparativo com o mesmo período do ano anterior, a quantidade de consumidores livres aumentou 46,9%, capturando novos entrantes.

Durante o primeiro trimestre, foram registrados importantes avanços na implantação de ativos na Região Nordeste do Brasil, que totalizam 2 GW de energia renovável. O conjunto eólico Santo Agostinho (434 MW) chegou à marca de 99,6% no progresso geral da obra. A conclusão da implantação deve acontecer ainda no segundo trimestre. Graças aos avanços em Santo Agostinho, a Companhia chega a 9.008,2 MW de capacidade instalada, operando um parque gerador de 10.718,0 MW, composto por 99 usinas, sendo 11 hidrelétricas e 88 complementares. Somados os valores pagos em aquisições de participações societárias, em construções de novos projetos e, ainda, em manutenção, revitalização e modernização do parque gerador, os investimentos da companhia no período foram de R$ 3,7 bilhões.

Veja mais notícias sobre EmpresaNegócios do SulSanta Catarina.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 24 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/