Nanotecnologia verde desenvolvida no Sul conquista mercado internacional

Catarinense NanoScoping atua com destaque no desenvolvimento e fornecimento de ativos nanotecnológicos
As sócias fundadoras e pesquisadoras premiadas Letícia Mazzarino e Beatriz Veleirinho

Inovação e sustentabilidade são as palavras-chave da empresa catarinense de nanobiotecnologia que venceu três modalidades no Prêmio Nacional de Inovação, em 2023, e está chamando a atenção do mercado europeu com uma novidade desenvolvida para o manejo sustentável do campo. Fundada há nove anos, pelas pesquisadoras Beatriz Veleirinho e Letícia Mazzarino, a NanoScoping atua com destaque no desenvolvimento e fornecimento de ativos nanotecnológicos e também na utilização da tecnologia verde e dos sistemas biocompatíveis e biodegradáveis. "Começamos muito focadas na linha veterinária, com sistema de nanocápsulas sustentáveis para aplicação em pets. Nosso produto era algo muito novo. Depois, atendendo a uma demanda do mercado, investimos na linha cosmética. Agora comemoramos a expansão internacional com nosso terceiro segmento de mercado: defensivos alternativos aos agrotóxicos convencionais, baseados em tecnologia verde", destaca Beatriz sobre a venda de uma tonelada do novo produto para a Europa. De acordo com a pesquisadora, a legislação na Europa é muito restrita e os agricultores precisam de alternativas pra garantir a produtividade. "Fechamos um contrato com uma empresa e os resultados foram muito bons", comemora Beatriz.

Antes mesmo da criação da empresa, a história da NanoScoping está atrelada à Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc). "A Fapesc é fundamental em toda a nossa história, desde as bolsas de estudos, na época das pesquisas na universidade, até a criação da empresa e a subvenção do Tecnova, que possibilitou os testes em campo dos novos produtos nanoagro, além dos incentivos que recebemos com os prêmios", agradece Beatriz. A história da NanoScoping começou em 2014, quando as sócias e doutoras em nanotecnologia se inscreveram no Programa Sinapse da Inovação, o edital que fomenta ideias inovadoras geradas em teses, dissertações e trabalhos científicos e tecnológicos. "Nosso grupo de pesquisa na UFSC já tinha esta característica de desenvolver pesquisas aplicadas e soluções focadas na vida real. Não queríamos que nossas ideias ficassem restritas a publicações científicas. O incentivo do Programa Sinapse foi o impulso que precisávamos para abrir a nossa empresa", relembra Beatriz.

Foi na incubadora Centro Empresarial para Laboração de Tecnologias Avançadas (Celta), em 2017, que a NanoScoping deu os primeiros passos na fabricação dos novos produtos e começou a estabelecer contato com futuros clientes. "Até o lançamento da nossa primeira linha de produtos foram necessários três anos. Mudamos muitas vezes nossos projetos até conseguirmos nos adaptar à realidade do mercado. Ficamos cinco anos no Celta e isso foi determinante para o nosso início. Além do networking e do ambiente que proporciona muitas trocas, conseguimos estabelecer nossa planta produtiva e organizar as instalações para desenvolver nosso processo de fabricação", recorda Beatriz. A pesquisadora destaca ainda a importância da subvenção do edital Tecnova para a validação dos novos produtos agrícolas. "Partimos de um produto com pouca validação, mas com o Tecnova conseguimos um desenvolvimento muito robusto para esta linha que tem um potencial gigante no mercado e ainda enfrenta barreiras comerciais no Brasil", reforça a fundadora da NanoScoping.

Em setembro, a NanoScoping conquistou três troféus no Prêmio Nacional de Inovação, a premiação que reconhece as melhores práticas de inovação do Brasil. Na categoria Pequenos Negócios, ficou em primeiro lugar nas modalidades: Destaque em Segurança e Saúde do Trabalho, Inovação de Produto e Pesquisadora Inovadora, com destaque para o tralhado de Letícia Mazzarino. O Prêmio Nacional de Inovação avalia não apenas projetos isolados, mas a capacidade inovadora das empresas, usando critérios como originalidade, impacto e viabilidade. É uma iniciativa da Mobilização Empresarial para a Inovação (MEI), com realização da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). No ano passado, a empresa conquistou outros três prêmios, em Santa Catarina: Prêmios Inovação Catarinense e Mulheres+Tec, ambos realizados pela Fapesc, além do Prêmio Celta de Incubação.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 22 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/