Ivaiporã, no Paraná, lança polo de inovação para agrotechs

Incubadora quer atrair empresas e investidores que criem um ambiente de alta tecnologia em toda a região
O projeto de Ivaiporã conta com apoio do governo sul-coreano

O município de Ivaiporã, no Vale do Ivaí, lançou nesta semana o projeto Polo Agrotech – Incubadora Tecnológica, com vistas a desenvolver soluções inovadoras para o agronegócio e atrair empresas e investidores que criem um ambiente de alta tecnologia em toda a região. A iniciativa tem apoio do governo estadual, por meio da Superintendência Geral de Inovação (SGI) e do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar).

Na mesma solenidade, foi assinado, entre outros documentos, um Termo de Cooperação Técnica entre o Tecpar, a Associação Brasileira de Internet das Coisas (Abinc) e a Agência Nacional de Comércio Exterior e Investimento da Coreia do Sul (Kotra). O Polo Agrotech será instalado em um terreno de 3.531 metros quadrados no Parque Industrial 1, localizado na Gleba Pindaúva. A construção da incubadora tecnológica terá investimento superior a R$ 2 milhões.

O superintendente de Inovação do Paraná, André Telles, destacou o poder da inovação e a determinação do governo de que ela seja implementada em todos os setores tanto para criação de algo novo quanto na melhoria do que já existe. "Aqui em Ivaiporã será desenvolvida uma indústria sem chaminé, com soluções de startups, de inteligência artificial, com uso de dados, modernização no campo e internet das coisas", disse. Participante da parceria, o presidente da Abinc, Paulo Spaccaquerche, reforçou a necessidade de criar soluções inovadoras com conectividade no campo, estimulando o ecossistema e propiciando atrativos para a permanência dos jovens no campo. "Ivaiporã vai necessitar de muito mais coisas, além dessa pequena parceria que é grande diante de tudo que temos de fazer aqui", disse.

Apoio coreano
O projeto de Ivaiporã conta com apoio do governo sul-coreano. "A Coreia do Sul é um país para se imitar. Há 50 anos era mais pobre que o Brasil, investiu em educação e construiu essa nação forte, referência em tecnologia", afirmou o secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. "Se quisermos impulsionar cada vez mais a capacidade competitiva do Brasil no mundo com a produção de alimentos e fibras precisamos investir e criar um movimento como este para encontrar soluções modernas para nossos problemas", declarou. Presente na solenidade, o cônsul da Economia da Coreia do Sul no Brasil, Byeongwook Woo, manifestou o apoio do governo do país da Ásia Oriental ao projeto. "Como funcionário governamental, espero que negócios sejam desenvolvidos logo depois (da instalação)", destacou.

A amizade entre os dois países foi ressaltada por Sangbum Bae, diretor-geral da Agência Nacional de Comércio Exterior e Investimento da Coreia do Sul (Kotra), que participará da cooperação técnica para o projeto. Segundo ele, o Brasil é forte na produção agrícola, enquanto a Coreia do Sul se destaca em ciência e tecnologia. "Há uma grande chance de unir e aprender sobre os pontos fortes de cada país", disse. Ele lembrou que Brasil e Coreia do Sul têm fuso horário com 12 horas de diferença, mas acentuou que se engana quem acha que isso significa estar muito longe. "Hoje estamos aqui para discutir negócios e melhorar as operações, mas para ter cooperação o mais importante é a paixão. Os coreanos e os brasileiros têm paixão e há amizade entre os povos", sublinhou.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 12 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/