RS mantém mapa definitivo com 17 bandeiras vermelhas

Estado segue em risco alto para esgotamento da capacidade hospitalar e velocidade de propagação do vírus
Mesmo com o início da vacinação, o governo considera importante manter o alerta para que toda a população siga mantendo os cuidados

O Gabinete de Crise indeferiu, na manhã desta segunda-feira (25), os três pedidos de reconsideração à classificação preliminar. Com isso, o mapa definitivo da 38ª rodada do Distanciamento Controlado se manteve com 17 bandeiras vermelhas e quatro laranjas. Os recursos foram enviados pelas associações regionais de Taquara, Guaíba e Passo Fundo, todas regiões em bandeira vermelha, e, pelo risco alto para esgotamento da capacidade hospitalar e velocidade de propagação do coronavírus, os pedidos foram negados.

Mesmo com o início da vacinação no Rio Grande do Sul, o governo considera importante manter o alerta para que toda a população siga mantendo os cuidados, com higienização constante, uso de máscara e evitar aglomerações, para conter a propagação do vírus até que uma parcela significativa de pessoas esteja imunizada.

Das 21 regiões Covid, 18 estão em cogestão e podem adotar protocolos próprios, elaborados pelas respectivas associações regionais. As 14 regiões em bandeira vermelha que aderiram ao sistema compartilhado podem adotar protocolos compatíveis até o nível de restrição da bandeira laranja. Guaíba, Santa Maria e Uruguaiana, que não estão na cogestão, devem seguir os protocolos determinados pelo Estado de bandeira vermelha. As regiões de Pelotas, Caxias do Sul, Bagé, Cachoeira do Sul, classificadas em laranja e participantes do sistema de cogestão, podem utilizar protocolos de bandeira amarela, se estiverem previstos e atualizados nos seus planos regionais.

De acordo com o mapa da 38ª rodada, 408 municípios (do total de 497) estão classificados em bandeira vermelha, somando 8,9 milhões de habitantes, o que corresponde a 78,4% da população gaúcha (total de 11,3 milhões de habitantes). Desses, 149 municípios (650,5 mil habitantes, 5,7% da população gaúcha) podem adotar protocolos de bandeira laranja, porque cumprem os critérios da Regra 0-0, ou seja, não têm registro de óbito ou hospitalização de moradores nos últimos 14 dias, desde que a prefeitura crie um regulamento local.

Veja mais notícias sobre CoronavírusSaúdeRio Grande do Sul.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 12 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/