Com novo posicionamento, CMPC inaugura o conceito de biofuturo

Campanha "Viva o natural" é aceno da companhia para despertar a consciência de que é necessário estabelecer um equilíbrio entre produção e preservação dos recursos naturais

Viver o natural é um convite para nos reconectarmos com nossa essência. Essa frase sintetiza o manifesto publicado pela CMPC para divulgar seu novo posicionamento. A nova campanha da multinacional surge com o intuito de ressaltar o propósito da empresa que envolvem a promoção de desenvolvimento e valor compartilhado com as comunidades vizinhas, além da conservação dos recursos naturais por meio da prática da gestão ambiental.

"Viver o natural posiciona nossa empresa como uma habilitadora de espaços em nossas florestas para novos usos, sejam eles de geração de renda ou para experiências contemplativas com a realização de atividades em meio à natureza", explica a Diretora de Relações Institucionais, Comunicação e Sustentabilidade da CMPC, Sharon Bicca Treiguer.

Para a executiva, as empresas devem estimular a mudança de comportamento a favor da sustentabilidade. "É papel de todos ter uma atitude sustentável. Do nosso lado, estamos constantemente aprimorando processos com o intuito de utilizar os recursos naturais de forma otimizada. Desenvolvemos produtos inovadores e de origem renovável. Somos uma indústria carbono negativa, ou seja, que captura mais gases de efeito estufa da atmosfera do que emite. Por termos esse olhar é que entendemos que mais pessoas também podem se engajar em um estilo de vida que as reconecte com o meio ambiente", completa.

Nessa jornada para a construção de um mundo mais sustentável, a CMPC também aposta em bioprodutos e oferece soluções reais para as necessidades, como é o caso dos 13 itens desenvolvidos por meio da reutilização dos resíduos do processo industrial da celulose. Esses materiais são transformados no Hub CMPC de Economia Circular e dão origem a novos produtos, que vão desde cimento, adubos e fertilizantes até insumos para painéis de madeira.

O posicionamento visa mostrar que é possível haver equilíbrio entre a expansão da capacidade produtiva e o cuidado com os recursos da natureza e o meio ambiente. Atualmente, dos 487.058 hectares totais que são geridos pela CMPC no Rio Grande do Sul, 236.246 hectares são produtivos e 211.828 hectares são destinados à preservação. Ou seja, 43% da área total tem função de conservação ambiental da fauna, flora e recursos hídricos.

As ações desenvolvidas nestas áreas para preservação ambiental englobam projetos de recuperação de flora nativa, a proteção de espécies ameaçadas de extinção, monitoramento ativo da fauna, e a realização de pesquisas acadêmicas, além dos estudos realizados sobre a condição dos rios, córregos e nascentes presentes nestas localidades. Com iniciativas de sustentáveis incorporadas em todos os setores de seu negócio, a CMPC demostra na prática como é viver o natural e indica que o biofuturo já começou.

Veja mais notícias sobre Conteúdo Patrocinado.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 14 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/