Economia catarinense avança 2,5% em setembro

Os setores de serviços e comércio incentivaram a produção em diversas indústrias
Incentivado pela manutenção do nível de consumo das famílias, setor de alimentos cresceu no mês

A economia de Santa Catarina cresceu 2,5% em setembro, em comparação ao mesmo período de 2022, enquanto a média nacional registrou 0,3%. Os setores de serviços e comércio foram os principais responsáveis pelo desempenho, incentivados pela manutenção do nível de consumo das famílias. Conforme análise do Observatório Fiesc, esses setores estimularam a produção em diversas indústrias do estado. Os dados são da pesquisa Índice de Atividade Econômica (IBC), do Banco Central. O setor de alimentos, por exemplo, tem se beneficiado por essa dinâmica e avançou 5,5%, principalmente nas atividades de alimentos prontos, panificados e laticínios. O segmento de equipamentos elétricos também foi estimulado, em parte, pelo consumo das famílias e registrou expansão de 21,9% na análise interanual, resultado principalmente da recuperação na produção de eletrodomésticos. A produção do setor também foi impulsionada pela diversificação das exportações de produtos fora da pauta principal, como as vendas de transformadores elétricos para os Estados Unidos e o Canadá.

A indústria química registrou expansão de 5% em relação ao mesmo período de 2022, com o aumento nas vendas de fármacos, artigos médicos, perfumaria e cosméticos. Esse movimento incentivou também as importações de instrumentos médicos da China e de medicamentos embalados da Europa. Já o setor de produtos de metal cresceu 4,6% e o de metalurgia 0,9%, na análise interanual, incentivados pelo fornecimento em obras de infraestrutura no país, em especial na construção de rodovias. A economista do Observatório Fiesc, Camila Morais, ressalta que, apesar dos destaques positivos na indústria do estado, há ainda setores com queda em sua produção, prejudicados, em parte, pelo cenário de desaceleração na economia mundial. "O setor de móveis, por exemplo, possui o maior recuo na análise interanual, -27,6%, prejudicado pelo arrefecimento do setor da construção nos Estados Unidos, principal comprador dos produtos do setor catarinense", explica.

Veja mais notícias sobre BrasilEconomiaIndústriaSanta Catarina.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 23 Fevereiro 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/