Com R$ 40 milhões do BNDES, Frísia modernizará armazenagem de grãos

Cooperativa receberá financiamento com recursos do Prodecoop
Essa é a terceira operação de apoio do BNDES para a cooperativa paranaense

O Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento no valor de R$ 40 milhões para a Cooperativa Frísia modernizar e ampliar unidades de armazenamento de grãos em Carambeí, Imbituva e Tibagi, todos no Paraná. O projeto tem valor total de R$ 47,9 milhões. Dos recursos aprovados pelo Banco, R$ 34,6 milhões são do Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária (Prodecoop), no âmbito do Plano Safra 2023/24, e R$ 5,4 milhões do BNDES Finem, programa do Banco de apoio a projetos de investimentos, voltados à geração e aumento de capacidade produtiva. Somente nos últimos dois anos, o BNDES desembolsou cerca de R$ 2 bilhões para investimentos que busquem reduzir o déficit de capacidade de armazenagem agrícola no Brasil.

O superintendente da Frísia, Mario Dykstra, destaca a importância do investimento para o contínuo desenvolvimento da região paranaense. "Temos uma ampliação da capacidade produtiva dos cooperados e da cooperativa, o que nos dá segurança e previsibilidade. Além disso, quando produzimos mais e melhor, há reflexo direto para o consumidor final, que terá acesso a uma maior gama de produtos, com qualidade e sustentabilidade", afirma. Com o financiamento, a unidade de recebimento e armazenagem de grãos em Carambeí, que recebe soja, milho, feijão preto, feijão branco, trigo e aveia branca e preta, terá novos equipamentos, que vão garantir maior produtividade. Serão adquiridos transportadores verticais e horizontais de grãos, que aumentarão a eficiência operacional, a diminuição do consumo de energia elétrica e duas novas máquinas de limpeza com maior capacidade e melhor eficiência operacional.

A unidade de Imbituva será modernizada e sua capacidade de processamento de grãos será ampliada com a aquisição de um novo secador, um silo pulmão e de novas máquinas de limpeza, mais modernas e com maior capacidade. A cooperativa também vai aumentar a capacidade de elevadores da linha de descarga e automatizar a linha de coleta de resíduos. O objetivo é garantir maior produção, com novos equipamentos e com o aumento da capacidade de secagem, proporcionando maior disponibilidade para a unidade, reduzindo longas filas de espera de caminhões para descarga de grãos, com melhoria da logística e da operação. Em Tibagi, a cooperativa pretende ampliar a capacidade de armazenagem de 24 mil para até 36 mil toneladas na unidade Tibagi III, que recebe soja, milho e trigo, e passa a receber cevada neste ano. Serão instalados dois novos silos de 6 mil toneladas cada. Outra medida será a ampliação da secagem, com a instalação de um novo secador de grãos.

Essa é a terceira operação de apoio do BNDES para a cooperativa. Ano passado, o banco financiou projeto de aumento da capacidade da fábrica de rações em Carambeí, com R$ 40 milhões, e, há dois anos, projeto de construção de uma queijaria em Ponta Grossa, com apoio no valor total de R$ 267,8 milhões. A Frísia é a 45ª maior empresa da região e também a 17ª maior do Paraná, de acordo com o ranking 500 MAIORES DO SUL, publicado pelo Grupo AMANHÃ com o apoio técnico da PwC Brasil. No ranking exclusivo das cooperativas de produção, a Frísia ocupa a 10ª colocação.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 25 Mai 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://amanha.com.br/