China e Índia: como vender mais o que tem mais valor?

O desafio para o Brasil continua sendo o de aumentar a participação de manufaturados na pauta de exportações

Por Milton Pomar

O desafio para o Brasil continua sendo o de aumentar a participação de manufaturados na pauta de exportações para China e ìndia

Passada a euforia proporcionada pelas possibilidades geradas nas reuniões em Brasília, dias 13 e 14 de novembro, dos presidentes e ministros da China, Índia, Rússia, África do Sul e Brasil, cabe agora se perguntar o básico: o que governos e empresas brasileiras farão, a partir de agora, para vender mais o que tem maior valor, principalmente para a China e a Índia, que serão as duas maiores economias do mundo, segundo o estudo “World in 2050: The Long View”, da PwC – cabendo aos Estados Unidos então um honroso terceiro lugar, seguido à distância pela Indonésia e o Brasil. Hoje, as populações da China e Índia somadas ultrapassam 3,7 bilhões de habitantes, dos quais mais de 1 bilhão consumidores efetivos.

Ainda que seja ótimo que as vendas de carnes para a China tenham aumentado muito em 2018 e este ano, e que tenham continuado em alta as dos demais produtos tradicionalmente exportados para lá, o desafio para os governos e empresas brasileiras continua sendo o de aumentar a participação de manufaturados na pauta de exportações para os dois países, e não apenas as quantidades de produtos básicos que a China e a Índia compram do Brasil. Isso porque a análise qualitativa do comércio em 2018 com os dois gigantes asiáticos revela que continuamos comprando quase que só manufaturados da China (97,8%) e da Índia (94,9%), e vendendo muito mais produtos básicos (88,9% e 40,7%, respectivamente), de acordo com os dados disponíveis no site do MDIC

Na prática, esse desafio de alterar significativamente a pauta de exportações do Brasil para seu maior parceiro comercial desde 2009 (China), e também para a Índia – que poderá se tornar o segundo maior importador em poucos anos –, implica em grandes mudanças estruturais no tocante à logística, disponibilidade e custos do capital, recuperação da importância da indústria na economia nacional e expansão da economia criativa. Tudo isso é imprescindível para que o Brasil possa encarar a concorrência mundial em preço, qualidade e inovação tecnológica. 

Os números da balança comercial são eloquentes a esse respeito: a maior venda do Brasil para a Índia ocorreu em 2012, com US$ 5,5 bilhões exportados. Ano passado as vendas caíram para US$ 3,9 bilhões. Em contrapartida, o recorde de vendas da Índia para o Brasil ocorreu em 2014, com US$ 6,6 bilhões, quase o dobro dos US$ 3,7 bilhões de 2018. Com a China, as exportações em 2018 foram recordes, com US$ 63,9 bilhões e saldo positivo para o Brasil de US$ 29,2 bilhões. Como as importações do Brasil representam menos de 3% do que a China compra do mundo, e apenas 1,2% de tudo o que a Índia importa, há ainda muito espaço para crescimento das vendas brasileiras para os dois países. Saberemos que essa realidade estará começando a mudar, quando houver menos empresários brasileiros indo comprar nas centenas de feiras que ocorrem anualmente na Índia e na China, e mais estandes de empresas brasileiras vendendo, a exemplo do que fazem as empresas alemãs, espanholas, norte-americanas e francesas. 


comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: